Com arbitragem polêmica, Fla vence o Flu e abre vantagem na disputa do Campeonato Carioca



Na tarde deste domingo (12), o Flamengo venceu o primeiro jogo da final do Campeonato Carioca contra o Fluminense, no Maracanã. Apesar da equipe rubro-negra não ter desempenhado o futebol bonito de sempre, saiu com o resultado positivo por um placar de 2 a 1 e leva a vantagem para o jogo de volta da decisão, podendo jogar pelo empate para levantar a taça. A arbitragem, por sua vez, foi contestada pelos dois times por conta da distribuição de cartões amarelos e a expulsão do Gabigol, já no fim do jogo - o juíz, Wagner do Nascimento Magalhães, é um exímio criador de polêmicas quando se trata de Fla-Flu.

O Jorge Jesus iniciou com um Flamengo não convencional. Diego Ribas, Vitinho, Pedro e Gustavo Henrique foram titulares neste domingo, o que gerou uma certa "apreensão" na Nação Rubro-negra. Mas, ainda assim, o Fla demonstrou superioridade na primeira etapa.

A equipe do treinador português mantinha a pressão na marcação, uma das caracterísitcas deste marcante Flamengo desde o segundo semestre de 2019. O gol demorou a surgir, mas quando veio, foi para valer a espera. 

Aos 27' do primeiro tempo, o Mengo fez uma linda jogada trabalhada na meia-lua e Pedro abriu o placar - a lei do ex nunca falha - um golaço coletivo. 

Em seguida, o atual campeão da Libertadores parecia estar acomodado, irreconhecível em comparação com aquele ataque avassalador que não deixava o adversário respirar. Porém, se colocarmos demérito ao Flamengo, devemos colocar mérito ao Fluminense, que fez uma partidaça neste primeiro confronto da final e buscava o placar.

Após o intervalo, a disparidade ficou nítida - não se engane, não é o que está pensando. O Fluminense voltou a todo vapor, Odair Hellmann fez uma preleção e tanto no vestiário. A equipe de Laranjeiras sufocou o atual campeão brasileiro e atual campeão da América. Ao contrário da quarta-feira passada, o nó tático desta vez aconteceu na parte ofensiva.

Com isso, não demorou muito tempo até o empate aparecer, o Tricolor empatou em 15 minutos de sufocamento. Através de um contra-ataque veloz, Egídio recebeu na esquerda da grande área e cruzou na medida para Evanílson, bateu de primeira empurrando para as redes de Diegol Alves.

O Fluminense não se acanhou depois do gol. Buscava mais, queria mais, tinha mais vontade. A impressão que fica é que o Mister está com a cabeça nas nuvens, desde que apareceu as primeiras notícias de sondagens do Benfica em cima do português.

Era quase uma obviedade que o Fluzão conseguiria a virada, mas o futebol, às vezes, é traiçoeiro. Depois de um escanteio a favor do Fluminense, Rafinha engatilhou um contra-ataque com um passe de gala para Gabigol, o camisa 9 driblou o Egídio e tocou para Michael na entrada da pequena área, 2 a 1 para o Rubro-negro. 

Isso mostra, mais uma vez, que o elenco monstruoso do Flamengo é fatal. Errou, vacilou, desconcentrou por 1 segundo, é gol. 

Um jogão de bola, que contou com uma arbitragem vergonhosa de Wagner do Nascimento Magalhães. Com critérios horrendos nos cartões amarelos e a expulsão de Gabigol quando o atacante estava sendo substituído, o juizão conseguiu, por incrível que pareça, ser contestado pelos dois times.

Agora, a vantagem fica com a Gávea. O time comandado por JJ joga pelo empate na próxima quarta-feira (15), às 21h de Brasília, também no Maracanã. O último jogo da final terá transmissão exclusiva no SBT.

Postar um comentário

0 Comentários